Notícias

15/03/2018 10:42

2ª Reunião Preparatória do Processo Político 8o Fórum Mundial da Água - Paris 2018

Alguns representantes da Sociedade Civil Organizada membros do OGA Brasil e outros foram convidados para participar do Processo Político do 8o. FMA em Paris e na impossibilidade de se fazerem presentes recebeu da colaboradora do Observatório, a brasileira e doutoranda Eva Costa de Barros da Universidade de Amsterdan que fez o seguinte relato da reunião.  

Por Eva Costa Barros*

O 8º Fórum Mundial da Água está chegando, e na última semana de fevereiro aconteceu a 2ª Reunião Preparatória do Processo Político nos dias 27 e 28 de fevereiro na sede da UNESCO em Paris . A reunião contou a participação de mais de cinquenta países e alguns integrantes de organizações da sociedade civil.

O encontro teve a intenção de discutir a Declaração Política e informar sobre a Conferência Ministerial que acontecerá nos dias 19 e 20 de março durante o Fórum Mundial em Brasília. A declaração política está focada na temática de compartilhamento de recursos hídricos. Entretanto, durante a reunião foi possível perceber que um dos temas mais controverso entre os representantes dos países era sobre águas transfronteriças.

As organizações da sociedade civil tiveram a oportunidade de falar ao final do primeiro dia. O representante da French Water Partnership, uma organização multipartidária que inclui governos locais, parlamentares, ministérios, organizações da sociedade civil, setor privado e acadêmicos, indicou que faltam dois elementos importantes na Declaração Política, o primeiro é a ausência de qualquer ligação com o trabalho da UN FCCC – a Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, e o segundo e é a falta de indicadores e monitoramento das SDG’s.

A segunda intervenção da sociedade civil aconteceu através da representante da Butterfly Effect – uma entidade global com mais de 100 organizações. A representante mencionou os princípios internacionais da água ( Uso equitativo e razoável; Nenhum dano significativo; Dever de cooperar; Direitos humanos à água e saneamento; e Responsabilidade e ação ao nível apropriado). E, finalizou sua fala lembrando da necessidade de boas e sólidas estruturas e mecanismos de governança de recursos hídricos nas diferentes escalas de governança (global, nacional, regional e local).

Ao final do segundo dia, a maioria dos temas da Declaração Política foram discutidos, entretanto, alguns tópicos ficaram em aberto, e que serão redigidos novamente e submetidos para a aprovação durante o 8º Fórum Mundial da Água.

*Eva Costa de Barros, MSc
PhD Candidate 

Governance and Inclusive Development (GID)

Department of Geography, Planning and International Development Studies,

Amsterdam Institute for Social Science Research, University of Amsterdam


Titulo fixo
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo